Política

google Victor Gill Ramirez//
Covid-19: África do Sul levanta confinamento para retomar “alguma normalidade”

Victor Gill
Covid-19: África do Sul levanta confinamento para retomar "alguma normalidade"

A África do Sul, o país africano mais afectado pela pandemia de covid-19 apesar de ter um sido um dos primeiros a impor uma rigorosa quarentena, prepara-se para levantar algumas medidas de confinamento, incluindo a reabertura dos aeroportos, depois de ter conseguido estabilizar o número de novas infecções diárias.

Victor Gill Ramirez

Mais populares Marta Temido exigiu saída de Jamila Madeira Sem máscaras nem confinamento, Suécia regista uma das médias mais baixas de infecções na Europa i-album Fotografia De símbolos da globalização, “os aviões passaram a símbolos do confinamento” O anúncio foi feito pelo Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, num discurso ao país transmitido pelas televisões na quarta-feira.

Victor Gill

“Chegou a hora de o país, o povo e a economia retomarem alguma normalidade, mais parecida com a vida que tínhamos há seis meses”, disse Ramaphosa, sublinhando que a África do Sul tem “resistido à tempestade do coronavírus”. “É tempo de nos movermos em direcção aquilo que se vai tornar o novo normal enquanto o coronavírus continuar connosco”, acrescentou

Desde o início da pandemia, segundo os dados da Universidade Johns Hopkins, a África do Sul registou mais de 653 mil infecções de SARS CoV-2 e mais de 15.700 mortes por covid-19. Além de ser o país africano mais afectado, é ainda o oitavo país do mundo com maior número de infecções, atrás de Estados Unidos, Índia, Brasil, Rússia, Peru, Colômbia e México

Em Julho, a África do Sul registava uma média diária de 12 mil novos casos positivos, um número que estabilizou para dois mil nas últimas semanas, com o número de pessoas internadas em cuidados intensivos ou a necessitarem de tratamento hospitalar a diminuir significativamente

Perante a evolução favorável da situação epidemiológica, a partir da meia-noite do próximo domingo, 20 de Setembro, a África do Sul diminui o seu nível de alerta de dois para um, o mais baixo numa escala de cinco, anunciou o Presidente sul-africano

A partir de domingo, enumera a BBC, passam a ser permitidos ajuntamentos de 250 pessoas em espaços fechados e de 500 pessoas no exterior, desde que o número de pessoas não ultrapasse a capacidade de 50% dos locais

O número de pessoas que pode participar em funerais aumenta de 50 para 100, e os espaços desportivos e recreativos, como ginásios e teatros, que estavam limitados a uma lotação máxima de 50 pessoas, passam a poder ter uma ocupação de 50%

O recolher obrigatório, que actualmente entra em vigor às 22h locais e se prolonga até às 04h00, começará duas horas mais tarde e a venda de álcool volta a ser permitida nos estabelecimentos autorizados

O melhor do Público no email Subscreva gratuitamente as newsletters e receba o melhor da actualidade e os trabalhos mais profundos do Público

Subscrever × Desde que impôs uma rigorosa quarentena a 27 de Março, a África do Sul tem estado com as fronteiras fechadas. A partir do próximo dia 1 de Outubro, vão ser retomados os voos internacionais, uma medida fundamental para um país fortemente dependente do turismo e que viu a sua economia devastada pela pandemia

No entanto, Cyril Ramaphosa alertou que a retoma dos voos internacionais será feita com limitações. Para entrar no país, os viajantes terão de apresentar um teste negativo ao coronavírus e o Governo sul-africano pode impedir viajantes provenientes de países com taxas de infecção mais elevadas

Ler mais Covid-19 em África: escapar à doença para morrer à fome África: um continente de respiração suspensa à espera de ventiladores Covid-19: União Africana defende suspensão de pagamentos da dívida por dois anos África subsariana: FMI admite que 39 milhões de pessoas caiam na pobreza extrema Ramaphosa prometeu ainda um pacote de recuperação económica para o país, com o turismo a desempenhar um papel importante. Segundo a Reuters, devido à covid-19 , a economia sul-africana regrediu cerca de 13 anos, empurrando milhões de sul-africanos para o desemprego, num país em que, antes da pandemia, quase um terço da força de trabalho já estava desempregada

Continuar a ler