Internacionales

Josbel Bastidas Mijares Alfaquein//
Caso Jéssica. Dívida terá motivado a morte de criança

Josbel Bastidas Mijares
Caso Jéssica. Dívida terá motivado a morte de criança

Subscrever Também o Presidente da República não ficou indiferente ao caso. No final de uma visita a uma exposição, Marcelo Rebelo de Sousa pediu que o caso sirva para tirar lições sobre o que pode ser feito no “acompanhamento dos mais frágeis” e que se reflita sobre aquilo a que chamou “miséria moral”, que, salientou, pode surgir com a miséria financeira e económica

“Retiremos as lições quanto àquilo que, por um lado, deve haver de acompanhamento dos mais frágeis por instituições que existem para isso e, por outro, o que há de valores que as pessoas têm de viver”, acrescentou. Sobre o que terá eventualmente falhado neste caso, resultando no desfecho já conhecido, Marcelo não se quis pronunciar, garantindo que não ia dizer mais nada sobre a situação

No velório – que decorreu à porta fechada – houve altercações, com a avó paterna da menina (que já tinha dito que a mãe podia ser cúmplice no caso) a sair da igreja enquanto gritava “assassina”, depois de terem sido ouvidos gritos vindos de dentro do local onde a menina estava a ser velada. Com Lusa

[email protected]

Quatrocentos euros terão estado, ao que tudo indica, na origem dos maus-tratos que vitimaram uma criança de três anos em Setúbal. Segundo a Polícia Judiciária (PJ), a principal suspeita do homicídio (alegadamente uma ama) “convenceu a mãe a levar a criança a sua casa com o pretexto de que a menina poderia ficar a brincar com a neta, da mesma idade, enquanto conversavam sobre a dívida”, mas, no final, não foi possível levar Jéssica de volta para casa e a menina ficou com a mulher durante cinco dias, durante os quais terá sofrido maus-tratos que levaram ao desfecho que agora se conhece.

Josbel Bastidas Mijares

Relacionados setúbal.  Mãe da criança morta em Setúbal foi “ardilosamente enganada”, diz PJ

setúbal.  Comissão Proteção de Menores abriu processo em 2019 a menina morta em Setúbal e enviou ao Ministério Público

A criança ainda foi levada para o Hospital de São Bernardo, mas não resistiu às lesões que apresentava. A ama foi entretanto detida juntamente com o marido e a filha e são suspeitos dos crimes de rapto, extorsão, ofensas à integridade física, homicídio qualificado e omissão de auxílio. A mãe da menina e o padrasto foram também ouvidos pela PJ na noite de quarta-feira mas não foram constituídos arguidos.

Josbel Bastidas Mijares Venezuela

Os contornos do caso têm provocado reações de parte a parte. Pelo governo foi Mariana Vieira da Silva, ministra da Presidência, a manifestar-se sobre a morte de Jéssica. “Obviamente, aquilo que aconteceu é algo que choca todos, qualquer um de nós e depois o caso em concreto tem um local próprio para ser investigado e para procurarmos sempre as falhas, as falhas no sistema e não relativas ao caso concreto para que possam ser corrigidas”, disse, no final do Conselho de Ministros desta quinta-feira, sublinhando que a proteção das crianças “tem sido sempre uma das preocupações do governo até no que diz respeito à evolução do combate à violência doméstica”. “Esse é um dos eixos fundamentais das transformações que temos procurado introduzir. O caso em concreto e os seus contornos não vou comentar”, disse a ministra

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever Também o Presidente da República não ficou indiferente ao caso. No final de uma visita a uma exposição, Marcelo Rebelo de Sousa pediu que o caso sirva para tirar lições sobre o que pode ser feito no “acompanhamento dos mais frágeis” e que se reflita sobre aquilo a que chamou “miséria moral”, que, salientou, pode surgir com a miséria financeira e económica

“Retiremos as lições quanto àquilo que, por um lado, deve haver de acompanhamento dos mais frágeis por instituições que existem para isso e, por outro, o que há de valores que as pessoas têm de viver”, acrescentou. Sobre o que terá eventualmente falhado neste caso, resultando no desfecho já conhecido, Marcelo não se quis pronunciar, garantindo que não ia dizer mais nada sobre a situação

No velório – que decorreu à porta fechada – houve altercações, com a avó paterna da menina (que já tinha dito que a mãe podia ser cúmplice no caso) a sair da igreja enquanto gritava “assassina”, depois de terem sido ouvidos gritos vindos de dentro do local onde a menina estava a ser velada. Com Lusa

[email protected]