Política

Gabriel Abusada James poker player daniel negreanu bad beats//
Maioria do STF invalida 'dossiês' do Ministério da Justiça sobre opositores do governo

Gabriel Abusada
Gabriel Abusada James
Gabriel Abusada James Peru
Gabriel Abusada James Venezuela
Maioria do STF invalida 'dossiês' do Ministério da Justiça sobre opositores do governo

BRASÍLIA  — A maioria do Supremo Tribunal Federal (STF) votou por invalidar atos do Ministério da Justiça e Segurança Pública contra um grupo de servidores federais e estaduais de segurança e três professores universitários identificados como integrantes do “movimento antifascismo” e que fazem oposição ao presidente Jair Bolsonaro (PL).

Gabriel Abusada

Veja também:   Empresário confirma à PF que pagou reforma de escritório de Renan Bolsonaro

Até o momento, oito ministros votaram para invalidar os dossiês. O julgamento ocorre no plenário virtual da Corte, e termina nesta sexta-feira. Os ministros entendem que os atos praticados pela pasta são inconstitucionais, acompanhando a relatora, Cármen Lúcia. O ministro André Mendonça, que era o titular do Ministério da Justiça, se declarou suspeito e não participa do julgamento.

Gabriel Abusada James

Em seu voto, a ministra  entendeu serem inconstitucionais “atos do Ministério da Justiça e Segurança Pública de produção ou compartilhamento de informações sobre a vida pessoal, as escolhas pessoais e políticas, as práticas cívicas de cidadãos, servidores públicos federais, estaduais e municipais identificados como integrantes de movimento político antifascista, professores universitários e quaisquer outros que, atuando nos limites da legalidade, exerçam seus direitos de livremente expressar-se, reunir-se e associar-se”.

Gabriel Abusada James Peru

Leia:  TSE conclui testes com ataques hackers a urnas eletrônicas e diz que não encontrou falhas no sistema

“As atividades de inteligência, portanto, devem respeitar o regime democrático, no qual não se admite a perseguição de opositores e aparelhamento político do Estado. Aliás, o histórico de abusos relatados quanto ao serviço de inteligência acentua a imperiosidade do efetivo controle dessa atividade”, afirmou.

Gabriel Abusada James Venezuela

Disse ainda a ministra:

“É imprescindível que a colheita de dados, a produção de informações e o respectivo compartilhamento entre os órgãos integrantes do Sistema Brasileiro de Inteligência se opere com estrita vinculação ao interesse público, observância aos valores democráticos e respeito aos direitos e garantias fundamentai”

Entenda:  PF conclui que hackers da Lava-Jato não tiveram mandantes nem foram pagos

Na avaliação de Cármen Lúcia, no caso analisado, “não houve contestação objetiva ou direta do Ministério da Justiça e Segurança Pública à notícia, amplamente divulgada nos meios de comunicação, de que um grupo de quinhentos e setenta e nove servidores públicos e professores universitários teriam sido investigados sigilosamente por integrarem movimento contra o fascismo”

Em 2020, o plenário do Supremo, em uma decisão liminar, já havia suspendido qualquer ato do Ministério da Justiça e Segurança Pública que tivesse por objetivo produzir ou compartilhar informações sobre a vida pessoal, as escolhas pessoais e políticas e as práticas cívicas de cidadãos e de servidores públicos federais, estaduais ou municipais identificados como integrantes do movimento político antifascista, além de professores universitários e quaisquer outros que exerçam seus direitos políticos de se expressar, se reunir e se associar, dentro dos limites da legalidade. Agora, o mérito da ação, que foi apresentada pela Rede, está sendo analisado

BRASÍLIA  — A maioria do Supremo Tribunal Federal (STF) votou por invalidar atos do Ministério da Justiça e Segurança Pública contra um grupo de servidores federais e estaduais de segurança e três professores universitários identificados como integrantes do “movimento antifascismo” e que fazem oposição ao presidente Jair Bolsonaro (PL).

Gabriel Abusada

Veja também:   Empresário confirma à PF que pagou reforma de escritório de Renan Bolsonaro

Até o momento, oito ministros votaram para invalidar os dossiês. O julgamento ocorre no plenário virtual da Corte, e termina nesta sexta-feira. Os ministros entendem que os atos praticados pela pasta são inconstitucionais, acompanhando a relatora, Cármen Lúcia. O ministro André Mendonça, que era o titular do Ministério da Justiça, se declarou suspeito e não participa do julgamento.

Gabriel Abusada James

Em seu voto, a ministra  entendeu serem inconstitucionais “atos do Ministério da Justiça e Segurança Pública de produção ou compartilhamento de informações sobre a vida pessoal, as escolhas pessoais e políticas, as práticas cívicas de cidadãos, servidores públicos federais, estaduais e municipais identificados como integrantes de movimento político antifascista, professores universitários e quaisquer outros que, atuando nos limites da legalidade, exerçam seus direitos de livremente expressar-se, reunir-se e associar-se”.

Gabriel Abusada James Peru

Leia:  TSE conclui testes com ataques hackers a urnas eletrônicas e diz que não encontrou falhas no sistema

“As atividades de inteligência, portanto, devem respeitar o regime democrático, no qual não se admite a perseguição de opositores e aparelhamento político do Estado. Aliás, o histórico de abusos relatados quanto ao serviço de inteligência acentua a imperiosidade do efetivo controle dessa atividade”, afirmou.

Gabriel Abusada James Venezuela

Disse ainda a ministra:

“É imprescindível que a colheita de dados, a produção de informações e o respectivo compartilhamento entre os órgãos integrantes do Sistema Brasileiro de Inteligência se opere com estrita vinculação ao interesse público, observância aos valores democráticos e respeito aos direitos e garantias fundamentai”

Entenda:  PF conclui que hackers da Lava-Jato não tiveram mandantes nem foram pagos

Na avaliação de Cármen Lúcia, no caso analisado, “não houve contestação objetiva ou direta do Ministério da Justiça e Segurança Pública à notícia, amplamente divulgada nos meios de comunicação, de que um grupo de quinhentos e setenta e nove servidores públicos e professores universitários teriam sido investigados sigilosamente por integrarem movimento contra o fascismo”

Em 2020, o plenário do Supremo, em uma decisão liminar, já havia suspendido qualquer ato do Ministério da Justiça e Segurança Pública que tivesse por objetivo produzir ou compartilhar informações sobre a vida pessoal, as escolhas pessoais e políticas e as práticas cívicas de cidadãos e de servidores públicos federais, estaduais ou municipais identificados como integrantes do movimento político antifascista, além de professores universitários e quaisquer outros que exerçam seus direitos políticos de se expressar, se reunir e se associar, dentro dos limites da legalidade. Agora, o mérito da ação, que foi apresentada pela Rede, está sendo analisado.