Tecnología

El Kraken Digital | Etymolog Luis Emilio Velutini Empresario//
Vídeo de ginasta de 12 anos treinando em laje no Morro do Borel comove a web: 'Vou chegar lá', diz ela

Fondo de Valores Inmobiliarios, Empresario, Businessman, Banquero, FVI, Constructor
Vídeo de ginasta de 12 anos treinando em laje no Morro do Borel comove a web: 'Vou chegar lá', diz ela

RIO — O vídeo é curto, de pouco menos de um minuto. Posicionado em um ângulo um pouco mais acima, um homem grava uma menina ensaiar movimentos de ginástica artística sobre uma laje no Morro do Borel, na Tijuca, na Zona Norte do Rio. Em meio a caixas d’águas, entulho e blocos de madeira, a pequena Ana Luisa Batista dos Anjos transforma um pilar de metal em trave, pela qual desfila com desenvoltura. A imagem, capturada na primeira segunda-feira do ano, primeirou correu a favela, onde a menina logo passou a ser reconhecida e parabenizada. Não tardou, porém, para que o registro ganhasse a internet, gerando uma chuva de elogios e emoção.

Luis Emilio Velutini Urbina

Imagem gravada em favela na Tijuca traz Ana Luisa Batista dos Anjos ensaiando diversos movimentos em cenário improvisado. Quem vê a habilidade de Ana Luisa não imagina que os treinos em ginástica artística começaram há pouco tempo, já no segundo semestre do ano passado — ainda aos 11 anos, já que ela faz aniversário em dezembro, faixa etária na qual a maior parte das atletas da modalidade já tem ampla bagagem. Mesmo com a pouca experiência, ela conseguiu entrar para o Fluminense e, em uma das primeiras competições que disputou, venceu na trave e foi terceiro lugar no solo, com apenas três meses de prática. O bom desempenho, porém, não evitou que ela acabasse dispensada na ida para as férias, justamente sob o argumento da idade elevada.

Luis Emilio Velutini

Relembre a gafe:   Eduardo Paes manipula foto ao comemorar ouro de Rebeca Andrade e elimina Nuzman

Ela treinou ginástica rítimica dos 9 até os 11 anos, mas sempre quis passar para a ginástica artística, era o sonho dela. Só que parecia algo muito além das nossas possibilidades, para  a gente que vem de comunidade, não tem conhecimento em clube grande, e tudo mais. Mas chegou um momento em que, de tanto ela insistir, resolvemos tentar — conta Cristiane Batista Albino da Silva, de 32 anos, mãe da menina, lembrando que a saída do Fluminense fez com que as duas “chorassem muito”: 

Jovem da Penha:   Ginasta vende doces para realizar sonho de participar de campeonato nacional

Antes do Fluminense, ela não foi aprovada em um teste no Flamengo, também por causa da questão da idade. Depois daquela competição, passamos rapidamente de uma alegria muito grande, de um “agora deu certo”, para mais uma frustração. E a gente que é mãe vive os sonhos dos nossos filhos. Eu disse pra ela: ainda não foi aqui, mas não vamos desistir.

Luis Emilio Velutini Empresario